sábado, 28 de fevereiro de 2015

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Mini biblioteca II

foto ella


Como criar um bébé bilingue? Não sei, não faço ideia. Não temos regras por aqui. Aliás, minto, temos apenas uma: ser o mais natural possível. E tem corrido bem. Como desde que nasceu que o papá e a restante família paterna lhe falam em francês para ele é algo natural. Aqui ficam alguns dos livros da mini frenchie biblioteca do kirikou que também servem para a mamã aprender.


terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

Oceanário

A primeira ida ao oceanário com o nosso pequeno explorador foi absolutamente fantástica. Ver aqueles pequenos olhinhos fascinados a abrirem-se para o mundo, a explosão de alegria... Enche-nos o peito e derrete-nos o coração. Não há palavras. Os filhos têm esse poder de nos mostrar o que é ver o mundo pela primeira vez. E também para nós o mundo ganha novas cores, novas texturas, novos sons. Fazem-nos regressar e reviver. Mas a maior lição que o meu filho me ensina todos os dias é a distinguir o que é essencial do que é supérfluo. 














Todas as fotos são do louis!

domingo, 15 de fevereiro de 2015

terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Um livro e um filme VIII


Gone Girl
Filme de David Fincher (2014)
Livro de Gillian Flynn (2012)


Gostei muito do filme. Intrigada pelo final alternativo do livro e pelas excelentes críticas que me chegaram aos ouvidos, resolvi pegar no livro. E gostei muito. Tanto ou mais que o filme. Se é melhor que o filme? O que é que interessa, se a literatura e o cinema são linguagens diferentes. O que peço/espero de um livro não é o mesmo que de um filme. Por isso acho que estão bem cada um no seu género. Ou talvez por ter visto o filme antes do livro não seja tão crítica relativamente ao filme. Quanto à história? Uma mulher desaparece e todos os olhares se voltam  para o marido revelando aos poucos as falhas do que parecia ser um casamento perfeito. Esta frase é muito redutora e fica muito aquém da perversidade e complexidade da história, mas tudo o que se possa revelar ou opinar estraga. E aí sim o livro é infinitamente mais intricado, interessante e obscuro. Apesar da singularidade da história leva-nos a reflectir sobre a nossa própria relação. Sobre aquilo que cada um de nós quer do outro e de como isso pode mudar com o tempo, a imagem que temos do outro e aquilo que revelamos. Então e quanto ao final? Para mim não são diferentes. O livro vai mais além, ou descreve no fundo aquilo em que fiquei a pensar. Só tenho pena que tenham eliminado a última frase que é tão aterradora, e teria resultado no cinema de forma brilhante.



quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

Whiplash


Whiplash, Damien Chazelle (2014)


Terence Fletcher: I was there to push people beyond what's expected of them.
I believe that's an absolute necessity.


Há imagens que ficam para sempre gravadas na nossa memória. Lembro-me de estar com o meu pai a ver televisão. Como sempre, eu aninhada no seu abraço. Coltrane. Coltrane foi a minha primeira paixão pelo Jazz. John Coltrane Quartet em concerto. Quatro tipos em ebulição impecáveis nos seus fatos a escorrer de suor. Eu não conhecia aquelas pessoas. Ou achava que não conhecia. Na realidade sempre foram a banda sonora da minha vida. Impressionou-me naquela gravação a preto e branco, a tranquilidade, a segurança mas sobretudo a forma como aqueles quatro tipos mostravam que estavam a dar tudo o que tinham e o prazer que isso lhes dava. Era essa a lição que o meu pai me queria dar.

Whiplash é sobre isso. Uma história simples e mais comum do que podemos pensar. Um professor tenta elevar os seus alunos e descobrir neles uma centelha de genialidade através do mais antigo e menos ortodoxo dos métodos. Ninguém ou quase ninguém deve concordar com o método e atrevo-me a dizer que é o método adoptado por aqueles que se sentem frustrados por nunca terem ascendido ao que sonharam. Duvido que seja o melhor meio de atingir um fim, mas falta nos dias de hoje essa vontade de querer fazer melhor. De ser melhor. Ou pelo menos tentarmos. É difícil quando as portas se fecham tantas vezes. Cansa. Mas também é triste optarmos pelo bonzinho. Simplesmente.

Terence Fletcher: There are no two words in the English language more harmful than good job.

Muito bom filme. Sobretudo pela história e pelos actores.
Não percam!


sábado, 31 de janeiro de 2015

Novo desporto

Mamã tem rodas...
Desliza... 
É um carro!

by ella


Ou como eu gosto de chamar...
Curling with droids!


(E sim... É o aspirador!)

sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

Banda do Mar

by ella


Quarta-feira, concerto da Banda do Mar no Tivoli. Com a semana pela metade e a cabeça atolada em trabalho e frustrações, o concerto foi uma lufada de ar fresco. Em duas palavras: BOA ONDA! Tão boa onda! "Légau" mesmo! Ideal para levantar a moral. Gosto destes concertos/espectáculos assim... Pequenos intervalos na rotina. A meio da semana, a começar cedinho, sem nos roubarem o sono. (E agora que páro para ler o que escrevi digo para mim própria que isto é mesmo coisa de velha! Bolas!)

Obrigada querida BB*, adorei saborear a minha prenda de aniversário na tua companhia!
Iremos certamente repetir!
E sim tens razão, a Mallú, é uma querida.


Ps. Malta do som para a próxima façam um melhor trabalho.


quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Surpresa mamã!

 

Todo e qualquer sítio é uma potencial garagem!


Mamã: Então era aqui que a ambulância estava escondida...
Kirikou: Nãooooooo!


E pronto...



domingo, 18 de janeiro de 2015

Birdman


Sistersitter in the house... Movie night! Yeah! 




Hum... Como descrever... A sensação não é a de que saímos de uma sala de cinema mas de uma peça de teatro. Portanto, é um filme que é uma peça de teatro sobre uma peça de teatro e de um homem à procura de significado. Gostei muito. Muito. Birdman é um trabalho de actores, todos os actores spot on. Aliás ficamos a pensar se o Michael Keaton foi uma escolha ou se o filme foi feito para ele. Birdman é também tecnicamente incrível, um verdadeiro "tour de force" cinematográfico, com provavelmente o maior plano sequência (virtual) de que há memória. E a banda sonora é a cereja no topo do bolo, tornando toda a experiência um verdadeiro solo de bateria... Não percam, num cinema próximo de vocês!


sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

Epá já é sexta-feira outra vez...


Não sei se a vossa semana passou tão rápido quanto a minha, na realidade nem dei por ela. Fiz mil e uma coisas, risquei muitos itens da minha lista. Só que por cada um que desaparece aparecem mais dois ou três. É uma história interminável. O que bem vistas as coisas é bom sinal. Um dia de cada vez. Tudo se faz.

Esta semana os meus "miúdos graúdos" deram a conhecer à "cota" este rapaz com cara de menino e voz de quarentão... George Ezra. Achei piada. Serei a única que ainda não o conhecia?



Budapest,
by George Ezra

terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Amadora BD



Não é de hoje, mas achei uma pena não partilhar... Aqui ficam algumas fotos da nossa breve visita ao 25º Festival de Banda Desenhada da Amadora com a atenção dividida entre as pranchas de BD e um pequenote à descoberta do mundo. Uma tradição que esperamos manter ao longo dos anos.
Para o ano não percam! Diversão para miúdos e graúdos!





















Todas as fotos são do Louis!


sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

Música para o fim-de-semana




A minha amiga BB* presenteou-me com um bilhete para o concerto destes senhores...
Banda do Mar
Não conhecia, ouvi e gostei.
Enquanto aguardamos pelo concerto aqui fica em modo repeat...



Mais Ninguém,
Banda do Mar


quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

Je suis Charlie


Hemingway once wrote,
"The world's a fine place and worth fighting for."
I agree with the second part.

William Somerset, in Seven (1995) by David Fincher


An Age of License


by Lucy Knisley


Então é isso?
E quando é que acaba?


Primeiro livro de 2015... An Age of License: a Travelogue, de Lucy Knisley.


segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

Séries que papámos como se não houvesse amanhã



Mozart in the Jungle... Um olhar sobre a vida de uma orquestra dos seus músicos profissionais e wannabe's. Original e divertida, com a participação de grandes actores e a realização de não menos grandes cineastas!



Luther podia ser mais uma série de polícias mas não é. E não é graças ao Luther. Ele é aquele tipo que anda com ar de quem dá um enxerto de porrada ao primeiro que lhe aparece à frente mas na realidade é uma joia de moço. Luther é uma grande personagem com carisma de super herói. Impossível resistir.


domingo, 4 de janeiro de 2015

E assim chegamos a 2015

Presente de Natal do kirikou!


E assim acabaram as férias de Natal. Amanhã estamos de volta ao trabalho. De volta ás horas marcadas e aos objectivos por cumprir. Natal não sabe a férias. Sabe a corrupio social. Queremos estar com toda a gente. Com a nossa gente. Mas o tempo é sempre pouco quando estamos com a nossa gente. Sabe bem crescer e envelhecer juntos. Para o novo ano não ficaram promessas nem listas, nem objectivos. Assim também acabam as frustrações. Ficam esperanças. Esperança de me conseguir levantar mais cedo e retomar o exercício. Esperança de escrever mais. Esperança de viajar mais. Esperança de ter mais tempo para estar com a minha gente. Esperança de saber ouvir os outros mas também e sobretudo saber quando não os ouvir. Esperança de todos os dias ser uma mãe melhor, uma filha melhor, uma amiga melhor, de ser e dar o meu melhor. De dormir com a consciência que de fiz o melhor que conseguia. E isso já é muito. Muito.


quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

25 anos!? Não... Não pode ser!?


Aí pode, pode. Pode mesmo ser.
Os Simpsons ou os amarelinhos, como lhes chama carinhosamente a minha mãe, já cá andam há 1/4 de século, sem rugas e sem perder a piada. Viva os donuts e o "Gengivas Sangrentas" (não, esse por acaso até já morreu...!).



sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

As melhores coisas que a vida nos pode dar...


Angelina Jolie e filho por Annie Leibowitz.


Estar sentada no chão a calçar os sapatos e o meu filho que andava por ali entretido vem ter comigo com um enorme sorriso, abraça-me e depois vai à sua vidinha de eterno explorador. Assim do nada. Só porque sim. Só porque lhe apeteceu. Tão espontâneo como arrebatador. E fica ali a mãe enternecida com uma lágrima no canto do olho, sentada com os atacadores na mão. Confirma-se... Esta criança fez de mim uma piegas.


quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

Isto promete...

Apesar de andar meio mundo a suspirar com o trailer do Star Wars (incluindo os "adultos" cá de casa) deixo-vos o trailer do mais recente filme da Pixar...


Inside Out,
Pixar 2015

Hehehe!


quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Movie Night... Interstellar

Nos últimos 15 dias fomos três vezes ao cinema... UAU! Que loucura!
Se poderem não percam o Interstellar (de preferência no iMax diria o Louis), prometo que não se vão arrepender...



"Once you're a parent, you're the ghost of your children's future"

Não acredito que seja um filme consensual. Talvez porque mexa com as vivências de cada um. É um filme de pais e filhos. E desse amor. Do tempo. Do passar do tempo. Com muita, muita emoção. Mais não digo se não soam as sirenes de spoiler alert. Nós por cá adorámos. E se eu fui a medo de adormecer exausta perante três horas de filme após um longo dia de trabalho a meio da semana. Mas não, nem dei pelo tempo passar e talvez isso seja o melhor elogio. 


quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Mini Biblioteca



Estes são alguns dos livros preferidos do kirikou e que depois de muito ler e reler aconselho vivamente a todos os pequeninos. Os livros são sempre óptimos amigos e uma paixão para se cultivar de pequenino. Os livros fazem parte do nosso ritual da "hora da caminha" e são também um excelente entretém quando vamos comer fora. E sim, isto é conversa de pais com esperança de vir a ter um filho que goste de ler. Apesar de a minha irmã me ter ensinado que mesmo as crianças que não acham piada aos livros e que suspiram desanimadas quando lhes oferecem um livro podem vir a ser as mais fervorosas leitoras. Isso ou terem umas irmãs muito insistentes...


P.S. Fico feliz por ver que 30 anos depois o meu filho se regala com as aventuras do mesmo Bolinha que fez as delícias da mãe!




domingo, 23 de novembro de 2014

Por aqui já chegou o Natal


O Presépio da Playmobil é já um sucesso aqui por casa!
Infelizmente o "bébé Jesus" este ano será substituído pelo anjinho pois devido ao seu tamanho é passível de ser deglutido pelo anjinho terrorista aqui de casa!

by ella


Não somos católicos. 
Para nós o Natal é a festa da família.
É a celebração de existirmos na vida uns dos outros.
E isso é motivo de grande alegria.



quarta-feira, 12 de novembro de 2014

Será este o caminho?



1984,
George Orwell


Será este o caminho das mais duras medidas na ciência, na educação, na saúde e na cultura?