quarta-feira, 25 de março de 2015

Not that Kind of Girl

ella

Por altura do Natal enquanto andava em busca de prendas de Natal encontrei o livro da Lena DunhamNot that Kind of Girl. Depois de ter lido uma entrevista com ela fiquei com vontade de a conhecer melhor. Lena Dunham é tudo menos consensual. Quando comecei a ver a série foram precisos uns quantos episódios para entrar no espírito. Primeiro estranha-se depois entranha-se. Tal como na série também no livro Lena é igual a ela própria. Lena é verdadeira e assume-se. O livro não é literatura mas não tem pretensão de o ser. É descontraído, tem momentos divertidos e outros que claramente não foram editados. Lena (ainda) não está ao nível de uma Tina Fey mas está a tentar. Lena não faz um retrato do que é a sua geração, mas faz um retrato do que é a sua realidade. E a verdade é que por muito diferentes que as nossas realidades sejam há certos pontos que são transversais a todas nós.


A Cup of Jo: You've talked about your fascination/fear of death. What would you want written on your tombstone?
Lena Dunham: I know exactly. When my great aunt Doris died last December, she was almost 101. I got a beautiful small watercolor she had painted during her life, and it was of a tombstone. And the tombstone said, "She has done her best."
in A Cup of Jo


PS. Esta semana o meu chérie chamou-me a atenção para este artigo de opinião sobre a série. 

Sem comentários:

Enviar um comentário