terça-feira, 15 de outubro de 2013

Terror de te amar num sítio tão frágil como o mundo

(Sophia de Mello Breyner Andresen)

Rebecca Minkoff, The Glow


Estou sentada e sobre o meu peito repousa um ser inocente e indefeso. Na televisão desfilam histórias de um mundo sujo, podre, perverso, frio e injusto. Um mundo tão longe do meu. Um mundo tão perto do meu. Sinto a respiração deste pequeno ser... Calma e tranquila. "Basta um pequeno erro e temos que pagar por ele a nossa vida toda!", diz a mulher sentada na poltrona. A fumar um cigarro e os olhos vazios. Passou pelo inferno na terra e ainda acha que a culpa é sua. A mente é perversa. Histórias de arrepiar. Escorrem-me lágrimas pela cara. Este mundo é nojento. Penso nos que acreditam em Deus. Mas que Deus poderia fazer alguém perder-se nesses tortuosos labirintos? Abraço-o. Aquelas palavras não me saiem da cabeça. Abraço-o. Se ao menos te pudesse proteger para sempre. Abraço-o. Sinto a respiração deste pequeno ser... Calma e tranquila. Se ao menos o mundo fosse assim...



PS. O que vi ontem foi o documentário The Price of Sex. Ninguém desconhece esta realidade mas vale a pena ver. Isto não é prostituição, é escravidão. Num momento em que muitos de nós emigram, nunca é de mais alertar para a barbárie deste mundo que engole tudo e todos. O cuidado nunca é pouco. Estas mulheres queriam uma vida melhor, um trabalho honesto. A vida trouxe-lhes o inferno.

3 comentários:

  1. Olá,
    Sem querer também vi esse documentário... Já vi muitos do género...
    Fico sempre parva e doente com o que ouço. 30 homens por dia!!!!!! O que me faria viver um inferno assim. Quebrava de certeza e sim seria das que saltaria da janela. Viver num inferno anos seguidos. há quem acredite que o céu e o inferno são aqui na Terra e eu acredito um pouco nisso.
    Estou grávida de 34 semanas. Tenho 34 anos e durante anos e anos sempre disse que não queria filhos nem animais domésticos já agora, mas a vida trouxe me dois gatos e um Guilherme quase a nascer. Não queria ficar amarrada a este mundo louco. Não queria ter que me preocupar com mais ninguém senão comigo. Tinha medo do futuro. Hoje gravidíssima continuo como tu, cheia de medo do que irá acontecer neste mundo louco ao meu pequeno bebé e o que terei que fazer para o proteger de todo o mal que ai anda na rua...
    Tenho medo mas tenho que ser forte e seguir em frente. Hoje tenho dois gatinhos para proteger e um pequeno menino, claro que era mais fácil ser só eu, mas não quer dizer que fosse melhor e sei que apesar de ter muito medo do amanhã sou mais feliz hoje com esta minha pequena tribo e claro que não sou só eu a zelar por bem destes serzinhos, tenho um pai do Guilherme que também se esforça muito para que o amanhã seja bom para todos nós.
    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É impossível não pensar no que faríamos se fosse connosco... Eu também acho que saltava da janela.
      Não há outra opção se não queremos nos isolar do mundo... Aceitar que podemos perder ou ganhar tudo de um momento para o outro. Mas só se vive se jogarmos para ganhar!
      Bjs

      Eliminar
    2. Mesmo...
      E assim, como sempre ouvi dizer, passamos a viver com o nosso coração fora do peito, mas felizes e com muito mais do que tínhamos antes.
      Beijos grandes.

      Eliminar