segunda-feira, 11 de dezembro de 2006

Caminhando para o Inverno

Noite...
Triste, ver desaparecer contigo a vontade.
Deito-me sonhando no amanhã, na nova alvorada.

Frio...
Olhar pela janela e sentir como o corpo regela.
Os pés já não sentem a ombreira sibilando.

Quente...
O fogão, e a água que se entornou...
Os olhos reencontram um brilho....

É dia...
De liberdade, aquecida no frio que não desaparece.
No consolo o espírito conquista uma nova energia.

É dia! Mas na vida um ciclo tem diferentes realidades.

Sem comentários:

Enviar um comentário