quinta-feira, 27 de abril de 2006

Concerto a esquecer e Concerto a não esquecer


Jazz no Valado dos Frades dia 21 de Abril. Nesta noite, eu e uma casa "quase" cheia abdicámos de uns trocos suplementares ao preço normal de entrada para ir ver um concerto talvez um pouco diferente. Íamos pois ver o Trio de Afonso Pais + Edu Lobo. Não vale a pena mentir ou disfarçar, é evidente que eu e provavelmente o resto de toda a audiência vinhamos ver um Edu Lobo que é uma figura rara de se ver por cá. Pois então começa o concerto com a entrada de Afonso Pais, Carlos Barreto, Alexandre Frazão e...música maestro. Ok, pronto, uma introduçãozita antes para aquecer e preparar a entrada de Edu Lobo, acho que faz todo o sentido. Passada a primeira meia hora o público começou a achar que a introdução talvez não fosse uma introdução. O Afonso Pais ia timidamente apresentando os temas do seu antigo disco e futura gravação. Ao fim de mais uma meia hora relaxei um pouco e pensei que a música brasileira estaria reservada para a 2ª parte do concerto. Depois de relaxar voltei a ficar tenso (o efeito da cerveja e dos amendoins? Acho que não...) e de repente entra Edu Lobo! Senta-se no cantinho que lhe estava reservado, afina calmamente a guitarra estranha (Afonso Pais podia ter aproveitado o momento para fazer o mesmo...) e música maestro! Chega finalmente a bossa-nova do Brasil, Edu Lobo toca e canta, Afonso Pais faz um belo solo, vem a segunda música, um pouco mais ritmada, estou a começar a ambientar-me e ............finito. Perdão? Desculpe? Como? Não entendi bem, vai para intervalo? Não....FINITO! ZE END! NO MORE, GAME OVER! ...e agora acho que vou fazer um "no comments" ao estilo EuroNews para não criar um ambiente desagradável no nosso querido Kind Of Blog.
Segue-se o "Concerto a não esquecer" que foi no dia seguinte. 22 de Abril, sobe ao palco o projecto "Tribology" do pianista Rodrigo Gonçalves com "pequenas grandes" alterações à formação orignal (Tribology com tunning!). Nelson Cascais no contrabaixo, Mário Delgado na guitarra (resurgimento de ultima hora!), Rodrigo Gonçalves of corse, Mário Barreiros na bateria (o primeiro substituto) e o novo Llibert Fortuny no sax alto. Desta vez vou ser breve. Se tiverem a sorte de apanhar esta formação a tocar perto de vocês façam o favor de vos fustigar se não forem ver o concerto. Foi explosivo, arrebatador, cheio de surpresas, entretenimento de grande qualidade para todos os sortudos que lá estiveram. Só vendo! Pode-se afirmar que, não querendo tirar qualquer mérito aos outros, o Llibert Fortuny é uma bomba de adrenalina capaz de levantar qualquer traseiro de quem está a ver e também de quem está a tocar com ele! Mais uma vez, só vendo!
No final da noite, passava a palavra que este concerto valeu por dois...
PS: Desculpem a foto desfocada mas o demoníaco saxofonista não parava quieto!

LOUIS

Sem comentários:

Enviar um comentário