quinta-feira, 21 de setembro de 2006

The Pillowman

Numa palavra... BRUTAL! Não encontro outra forma de descrever esta peça. A premissa é simples, "num regime totalitário um escritor é interrogado acerca do conteúdo grotesco dos seus contos e das suas semelhanças com uma série de homicídios infantis que estão a acontecer na sua cidade." E a simplicidade acaba aqui. Um texto de um densidade e complexidade psicológica tal que nos deixa desconcertados. De modo que nem consigo escrever pois tudo me soa demasiadamente redutor. E talvez o mais importante não seja apenas a história em si, mas todas as perguntas que vão surgindo. Poderá um artista ser responsável pelo que as suas obras provocam nos outros? Poderão as vivências da infância ser desculpa para o adulto em que nos tornamos? As histórias de Katurian são macabras (o Tim Burton faria um bom filme disto!), arrepiam e cortam a respiração, mas o que está para além das histórias é de uma grande humanidade. Pillowman é personagem de uma dessas histórias,"um herói" simpático, "feito de almofadas que encoraja crianças a suicidarem-se para não terem que viver vidas terríveis." Estranho e dolorosamente reconfortante saber que as crianças poderiam fugir a um sofrimento maior e que não morriam sozinhas, mas segurando a mão deste fofo e sorridente ser. Enfim, vão querer rir, mas também vão querer chorar.
A peça é da autoria do dramaturgo britânico Martin McDonagh, e foi a estreia nas lides da encenação do realizador Tiago Guedes (Coisa Ruim). Os actores foram escolhidos a dedo, e as personagens assentam-lhes como uma luva. Enfim... nada a criticar. A não ser o nó no estômago com que se saí da peça. Adorei. Ficam duas palavras... não percam!

The Pillowman - O Homem Almofada
Teatro Maria Matos até 15 de Outubro
Encenação: Tiago Guedes.
Interpretação: Albano Jerónimo, Gonçalo Waddington, João Pedro Vaz, Marco D'Almeida.

Ella

Sem comentários:

Enviar um comentário