quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

Whiplash


Whiplash, Damien Chazelle (2014)


Terence Fletcher: I was there to push people beyond what's expected of them.
I believe that's an absolute necessity.


Há imagens que ficam para sempre gravadas na nossa memória. Lembro-me de estar com o meu pai a ver televisão. Como sempre, eu aninhada no seu abraço. Coltrane. Coltrane foi a minha primeira paixão pelo Jazz. John Coltrane Quartet em concerto. Quatro tipos em ebulição impecáveis nos seus fatos a escorrer de suor. Eu não conhecia aquelas pessoas. Ou achava que não conhecia. Na realidade sempre foram a banda sonora da minha vida. Impressionou-me naquela gravação a preto e branco, a tranquilidade, a segurança mas sobretudo a forma como aqueles quatro tipos mostravam que estavam a dar tudo o que tinham e o prazer que isso lhes dava. Era essa a lição que o meu pai me queria dar.

Whiplash é sobre isso. Uma história simples e mais comum do que podemos pensar. Um professor tenta elevar os seus alunos e descobrir neles uma centelha de genialidade através do mais antigo e menos ortodoxo dos métodos. Ninguém ou quase ninguém deve concordar com o método e atrevo-me a dizer que é o método adoptado por aqueles que se sentem frustrados por nunca terem ascendido ao que sonharam. Duvido que seja o melhor meio de atingir um fim, mas falta nos dias de hoje essa vontade de querer fazer melhor. De ser melhor. Ou pelo menos tentarmos. É difícil quando as portas se fecham tantas vezes. Cansa. Mas também é triste optarmos pelo bonzinho. Simplesmente.

Terence Fletcher: There are no two words in the English language more harmful than good job.

Muito bom filme. Sobretudo pela história e pelos actores.
Não percam!


Sem comentários:

Enviar um comentário