quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Do amor

"Bjork and sun, Iceland", photo by Juergen Teller (1993).

Quando esperamos o nascimento de um filho é comum perguntarem-nos se estamos preparados. Preparados para a responsabilidade de educar uma criança. Preparados para as noites sem dormir, as cólicas, as birras. A falta de tempo. O fim daquela vida de apetece-me/quero/posso. Nunca ninguém me perguntou se estava preparada para deixar de ser a pessoa mais importante na minha vida. Nunca. Ninguém. Hoje percebo que esse sim, foi o maior passo que dei naturalmente e involuntariamente no dia em que fui mãe. Talvez seja essa a derradeira prova do amor oblativo. 


2 comentários:

  1. Basta olhar para aquelas bochechas fofas e os olhinhos para ficarmos em plena "oblação"!

    ResponderEliminar