sábado, 25 de outubro de 2008

Matando saudades e dando de beber ao espírito...








Fotos by Mystic's, 25 de Outubro de 2008


Morro de Amor pelas águas da Ria
Esta espuma de dor, eu não sabia
sou moliceiro do teu lodo fecundo
sou a Ria de Aveiro, o Sal do mundo
Vara comprida, tamanho da vida
Braço de mar, a lavrar, a lavrar

Morro de Amor nesta rede que teço
e é no Sal do Suor que eu aconteço

Para além da Salina, o horizonte me ensina

que há muito Mar, para lavrar, para lavrar


Fado Moliceiro: Carlos do Carmo



Sem comentários:

Enviar um comentário