domingo, 21 de outubro de 2007

Revolução Sentimental


Porque li isto ontem e de alguma forma fez todo o sentido. E também porque quero mesmo ir ver este filme, Les Chansons d'Amour de Christophe Honoré.

Honoré tem uma teoria: depois da revolução sexual, estes são os tempos da "revolução sentimental". "Para as pessoas da minha geração, que sentiram o peso da sida, o campo da gravidade era o sexo, era aí que se jogava a vida e a morte. Nesse sentido, os sentimentos foram remetidos para as coisas ligeiras, que recusávamos encarar com seriedade. Creio que agora há um reverso disso, e que da mesma maneira que houve uma revolução sexual que desinvestiu os sentimentos, há agora uma geração para a qual o sexo é a 'petite chose', podemos dizer que há uma espécie revolução sentimental.
in Ípsilon, Público
Ella

Sem comentários:

Enviar um comentário