sexta-feira, 15 de junho de 2007


A poltrona vazia. Espaço oco. Morto.
Sento-me em frente a ela.
Fecho os olhos. Abro. Vazia.
Fecho os olhos. Abro. Continua vazia.
Fecho os olhos. Vejo-te sentado nela. O mesmo fato, o mesmo cigarro na mão, a mesma manta sobre o colo.
Dizes, Olá Filha, e levas o cigarro à boca.
Lentamente... 3. 2. 1.
Abro os olhos. Continuas lá.
E enquanto te sorrio desapareces. Fica a poltrona vazia.
E o vazio.

Ella

Sem comentários:

Enviar um comentário