quarta-feira, 7 de novembro de 2007

Les Chanson d'Amour


Saudade até que é bom
É melhor que caminhar vazio
Sonhos, Caetano Veloso

Estou há algum tempo para escrever sobre o filme, mas isto de dar uma opinião sem poder dizer o que quer que seja sobre a história para não ferir susceptibilidades daquele tipo de pessoas que "não quer saber" é muito limitante. Neste caso o mote não estraga em nada o desenrolar da trama, pois é o mesmo de todas as histórias de amor - duas pessoas que se amam.
Quantas pessoas caberão numa suposta relação a dois? E o que fazer ao amor quando perdemos sem razão o objecto do nosso amor? São algumas das perguntas que ressoam durante o filme e ao longo do caminho para casa. E para as quais cada um tem as suas respostas, se já as encontrou.
Confesso que não sou pessoa de musicais e saber de ante mão que vão desatar a cantar por tudo e por nada me deixou um pouco de pé atrás, mas o que aconteceu foi o contrário. Louis Garrel com o seu cabelo tempestivo canta e encanta. Banda sonora de excelência, música mesmo "aux point". No sítio certo, na altura certa. Muito french, bien sure!

Ama-me menos, mas ama-me durante mais tempo.
Ismael, Les Chanson d'Amour
Ella

Sem comentários:

Enviar um comentário